domingo, 15 de fevereiro de 2009

O Leitor (Oscar 2009)

Berlim pós-guerra, meados da década de 50: Michael (interpretado por David kross na juventude e Ralph Fiennes na fase adulta), um adolescente de 15 anos conhece a jovem e misteriosa senhora Hanna Schmitz (Kate Winslet) absolutamente por acaso - passa mal ao voltar pra casa e ela o ajuda, na rua. Diganosticado com escarlatina, o rapaz fica acamado por cerca de 3 meses, mas a imagem da linda mulher que o ajudou não lhe sai da cabeça.

Recuperado, Michael procura a tal mulher para agradecer a ajuda, e após dois ou três encontros "forçados" pelo rapaz eles cedem a seus impulsos e iniciam uma tórrida relação quase que exclusivamente carnal, onde a mulher mais velha inicia a vida sexual do menino inexperiente.

Michael visita Hanna todas as tardes após a aula. Lê para ela trechos de romances que estuda na escola, e essa se torna a "preliminar oficial" do casal. Michael parece apaixonado, o que é de se esperar de um jovenzinho de 15 anos, e Hanna parece não perder aquela dureza que lhe toma desde o olhar até as mais simples atitudes, uma mulher totalmente dura e embrutecida pela vida.

O romance dura apenas um verão, e num dia qualquer, sem qualquer justificativa, Hanna vai embora sem se despedir e Michael nunca mais a vê. Os anos se passam e, já em meados da década de 60, o rapaz está cursando Direito na Universidade. É então convocado pelo professor para assistir um importante julgamento que tem mobilizado a opinião pública alemã - o julgamento de alguns criminosos de guerra acusados de terem trabalhado nos campos de concentração do regime nazista.

E é neste julgamento que Michael reencontra seu passado. Hanna é uma das acusadas, e ele vai descobrindo aos poucos, no curso do julgamento, toda a história imunda do passado repugnante daquela mulher que lhe apresentou à vida adulta anos antes. Sentimentos altamente conflitantes tomam conta de Michael, que parece querer lutar contra os fatos para encontrar uma forma de desacreditar nas acusações que pairam sobre Hanna, e ao mesmo tempo vai constatando que isso é impossível através da história que vem à tona durante o julgamento.

Ainda durante o julgamento, Michael descobre que Hanna guarda outro segredo, e ele percebe que este segredo é para ela muito mais importante do que seu próprio passado sombrio, capaz de fazê-la assumir coisas que não fez apenas para não ter que revelá-lo. Ele cogita interferir para mudar o destino da mulher, mas não tem coragem, e a sentença final traça um triste destino para aquela que até outro dia lhe saciava na cama.

Michael vive atormentado por esta história, muito mais pelo fato de saber uma parte da verdade que Hanna ocultou do mundo e que interferiu tanto em sua condenação, e não encontra paz de espírito até o dia em que, relembrando os tempos de romance quando lia para ela, decide gravar fitas com a leitura de livros e enviar para ela na cadeia.

As caixas de fitas chegam sem identificação, mas à primeira fala Hanna já identifica o autor do presente. Isso torna-se seu estilo de vida, e é através destas fitas e dos livros a que tem acesso que ela acaba conquistando seu maior tesouro dentro da prisão.

Não há muito mais o que falar sobre O Leitor sem revelar o seu mistério. O que posso dizer é que este é um filme que me surpreendeu bastante - positivamente. Eu não esperava tanto.

Quando digo que o páreo da disputa pelo Oscar está duríssimo este ano, por favor, acreditem em mim! Estou completamente dividida.

A questão crucial em O Leitor é que o filme provoca sentimentos tão conflitantes que eu mesma fiquei meio desnorteada depois. Porque odiamos os nazistas, sempre. Odiamos o que houve na segunda guerra mundial, odiamos saber que existiu o Holocausto e odiamos imaginar que pessoas normais possam ter cometido todas aquelas crueldades.

E aí o filme nos coloca diante de uma mulher áspera, grosseira, esquisita, uma mulher que demonstra claramente carregar uma amargura muito grande na vida, que deixa latente sua falta de doçura e ao mesmo tempo, nos sensibiliza com seu amor pelos romances e pelos livros, e pela vergonha que carrega dentro de si guardada a 7 chaves. Esta mulher, nazista e criminosa de guerra é condenada a pagar pelo que fez, e desperta no espectador - pelo menos despertou em mim - um desconhecido sentimento de piedade e compaixão.

Uma história muito perturbadora, e Kate Winslet arrebenta na interpretação. Impressionante o talento dessa lindíssima atriz. Impressionante a capacidade que ela tem de construir personagens assim, com tanta densidade e com tanta verdade. Acabei de assistir também Revolucionary Road com ela, e fico impressionada com os extremos a que Kate é capaz de chegar. E linda, sempre, sempre, sempre.

O papel de Hanna Schmitz seria originalmente de Nicole Kidman, mas ela não pode aceitá-lo por conta da gravideza. Penso que isso foi o que de melhor poderia ter acontecido à produção, porque mesmo conhecendo o talento e a competência de Nicole, não consigo imaginar uma Hanna que não fosse vivida Kate Winslet.

Ela está fantástica no papel, perfeita, mereceu o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante que ganhou por este filme e está forte na disputa pelo Oscar de Melhor Atriz, embora estejam dizendo que o fato de ela ter sido indicada na categoria principal e não como coadjuvante possa lhe prejudicar. Eu não acho, até porque tudo que Kate não é em O Leitor é coadjuvante. Ela "carrega" o filme com sua competência, e merece ter seu trabalho brilhante reconhecido com o prêmio.

O roteiro - adaptado do best-seller internacional "O Leitor" de Bernhard Schlink, é caprichado e amarra todas as situações sem deixar aparas, mas comete uma grande falha ao deixar de explorar um debate importantíssimo que o filme abre num determinado momento:

Por quê condenar meia dúzia de criminosos de guerra se o Nazismo ocorreu abertamente, se tantas pessoas sabiam do que acontecia e ningúem fez nada para mudar a história na época? Os cúmplices da tragédia seriam menos responsáveis do que seus executores? Como o mundo pode deixar que algo tão absurdo acontecesse sem tomar uma medida para evitar? Não seriam todos culpados, afinal?

Eu mesma, toda vez que leio um livro ou vejo um filme sobre o Holocausto me faço esta pergunta. Me pergunto como o Mundo pode deixar aquilo acontecer sem fazer nada, como foi possível que tantos judeus fossem exterminados aos olhos de um mundo que cegou diante da guerra, e como todas estas pessoas são igualmente responsáveis pela tragédia.

O Leitor levanta este debate num determinado momento, mas acaba por deixá-lo de lado e isso foi uma falha significativa, porque foi-se uma grande oportunidade de abrir uma discussão ainda mais complexa.

Esta falha não chega a comprometer o resultado, até porque o filme já aborda questões complexas demais. Eu amei o filme, e ainda estou meio passada com toda essa história, com todas as suas contradições e com as consequências duríssimas que marcaram definitivamente a vida dos envolvidos.

Acho que praticamente não tem chances de levar o Oscar - nem de melhor filme, nem de melhor diretor, e provavelmente as maiores chances do filme na premiação estejam nas mãos de Kate Winslet, que merece muito levar a estatueta pra casa desta vez. A disputa está duríssima porque há no páreo Meryl Streep num papel arrasador em Dúvida (resenha em breve), e na verdade todas as indicadas possuem chances reais de faturar neste ano, mas vou torcer muito por Kate, há anos injustiçada no prêmio.

Por ser um belo filme, por conter uma linda história de amor, por ter Kate Winslet linda e arrasando e por ser uma outra visão (muito perturbadora) sobre o nazismo, é que O Leitor é um filme obrigatório para quem gosta do bom cinema, e você deve assiti-lo assim que puder!


INDICAÇÕES AO OSCAR 2009:


Melhor Filme;
Melhor Diretor - Sthephen Daldry;
Melhor Atriz - Kate Winslet;
Melhor Roteiro Adaptado;
Melhor Fotografia.

3 comentários:

Karla disse...

Estou sentindo falta de uma presença farta no meu blog sabia?
Ah vc não pode me abandonar heim e ai está tudo certinho?

Beijossssssssssssss

Uiara Santos disse...

Sensacional esse blog. amei!

Bett disse...

Peguei suas informações sobre o filme O Leitor e coloquei no meu blog. Tem algum problema? Assisti hoje, e estou ainda tão perturbada que não consegui escrever nada, e aí encontrei essa resenha no seu blog.
Se tiver algum problema, me fale, tá?
Bett
http//elisa-bet.zip.net