quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

E se a roda enguiçar?

Algumas coisas na vida são tão perfeitas que a gente não consegue nem fugir do clichê.

E uma dessas obviedades é o fato de que ela - a vida - é perfeitamente cíclica.

Uma roda-gigante real, onde num momento se está lá no alto, e no momento seguinte inevitavelmente se estará lá embaixo.

Não há como evitar, a menos que se pule pra fora da roda no meio do caminho, mas aí seria o fim da brincadeira, e brincar de roda gigante só tem sentido quando se dá muitas voltas, porque a cada subida e a cada descida muda o cenário e mudam as sensações, e é isso que faz a experiência de girar, e girar, e girar realmente valer à pena.

Ainda assim, por mais que eu tenha essa consciência, fico sempre receosa quando passo por uma fase boa, já que de certa forma ela é o prenúncio de tempos difíceis.

O ruim do bom é que as expectativas tendem a ser mais negativas. É a probabilidade. É a estatística. É o princípio matemático da vida.

É a vida girando.


O que nos leva a uma outra questão, que é o quanto de energia estamos dispostos a empregar no caos.

Se sabemos que ele virá, por que será que não conseguimos encará-lo de forma diferente? Por que será que nunca nos preparamos para as dificuldades que instintivamente sabemos que vamos enfrentar?

Estatísticas (de novo elas!) mostram que por mais que tentemos influenciar fatores externos para nos proteger de um período difícil, ainda assim é pouco provável que tenhamos êxito.

Não conseguimos mudar as pessoas. Nem a ordem natural do ciclo. A roda é perfeita e gira de um jeito só. Não à toa, é das maiores invenções da humanidade.

E se não podemos mudar o funcionamento da roda, nos resta apenas tentar mudar individualmente, internamente, aquela mudança para a qual não dependemos de mais ninguém a não ser de nós mesmos, única forma de passar a encarar os problemas com mais coragem e menos drama.

Porque, repito, fatalmente chegará o momento em que sua roda te levará para o nível mais baixo, e se não há como fugir disso, até por instinto de sobrevivência, talvez inteligente mesmo seja mudar o comportamento e aliviar a passagem pelas trevas, ao invés de dramatizá-la.

Sofremos muito nessa vida. Minha mãezinha sempre dizia que "nascemos pra sofrer", e por mais que essa pareça uma afirmação amargurada, acreditem, não é. Se nascemos pra sofrer, o que vier diferente disso é lucro, concordam? Eis o pulo do gato!

Algumas pessoas se entregam ao sofrimento. Se deixam tomar por uma espécie de conformismo e resignação que não só as deixam estacionadas sem evoluir como as coloca no pior patamar: Aquele de quem se entrega à autopiedade, tem pena de si mesmo e se conforma em viver uma vida exercendo apenas o papel de vítima miserável da própria sorte.

Pessoas que se comportam assim possuem o estranho poder de fazer a roda enguiçar. A roda gira até o nível mais baixo e simplesmente pára. Fica lá muito mais tempo do que ficaria, enquanto seu passageiro valoriza cinematograficamente cada segundo de sua passagem pelas trevas, conseguindo involuir, quando tinha tudo pra evoluir.

É preciso um mínimo esforço pra evitar que isso aconteça. Porque, não se engane, a tentação da autopiedade é poderosa, e consegue dominar até pessoas tidas como fortes e bem resolvidas. É cômodo. Atrai holofotes. Atrai atenção e alimenta a resignação de quem não quer se esforçar além do previsível pra fazer a roda girar.

Lute contra seus infortúnios e vire o jogo. Encare a vida de frente, tenha coragem, não se vitimize dos problemas porque eles acometem a você, a mim, a todo mundo. E a maneira como você vai encará-los é que abrirá teus olhos para enxergar outras belezas quando chegar novamente a hora de a roda girar, e você subir.

O fim é sempre o mesmo. Subir e descer, todos vamos. O que torna as pessoas maiores ou menores, melhores ou piores, é a dinâmica, a originalidade e a criatividade que conseguem ter para lidar com as oscilações previsíveis, tornando a vida sempre interessante, fazendo-a sempre valer à pena.

Eu, pessoalmente, quero mais é girar. E apesar do medo dos momentos de descida, uma certeza eu tenho: Farei tudo ser diferente, sempre, até no pior sofrimento. Porque não vim nesse mundo pra viver de obviedades. De previsível, basta o movimento da roda. O que depende de mim, será sempre imprevisível. É muito mais interessante!

E se todo mundo faz de um limão uma limonada, eu faço é uma caipirinha.

Porque viver, pra mim, só se for com prazer!

5 comentários:

Eu não tenho conserto disse...

Poxa.. estou gostando muito dos seus textos. Você tem uma forma de pensar que parece muito com a minha.
E vamos continuar a girar.
E com meu limão eu faço uma torta de limão.. hehehe (ai que vontade!!)
bjssss

Eu não tenho conserto disse...

Poxa.. estou gostando muito dos seus textos. Você tem uma forma de pensar que parece muito com a minha.
E vamos continuar a girar.
E com meu limão eu faço uma torta de limão.. hehehe (ai que vontade!!)
bjssss

Sissi disse...

A questão é que muitos prevêem apenas a subida e a descida, esquecendo de fatores como o passageiro de cima vomitar e espirrar em várias pessoas, começar a chover e até o momento de descer, todo mundo fica ensopado; ventos muito fortes que uivam dentro da cabine; decidir comer salgadinho lá em cima e passar pelas pessoas aqui em baixo com a boca cheia de farelos etc etc etc. Na verdade quem entra na 'roda' precisa estar disposto a tudo, consciente que não adianta ter as respostas prontas, mas a cabeça aberta para descobrir as melhores saídas. Fases boas e ruins são cíclicas e inevitáveis, portanto para quê sofrer por antecipação? Não dá nem mesmo para antever o problema, quem dirá chegar nele com a solução pronta. Então, como esperando um grande inverno, vamos pegando experiência como se fossem gravetos, assim, quando os problemas chegarem teremos ao menos bagagem para formular hipóteses de solução e testar uma por uma, até que dê certo.

Rita Schultz disse...

Ah, se você pudesse me ver agora! Eu que sempre falo em alegria! Acredite, hoje eu tirei o dia p/ chorar! Quanto ao seu texto, é lindo. Virei sempre para ler esse seu 'livro' de todo dia. Beijo, beijo, beijo.

LaDespistada disse...

Pois q venha minha caipirinha pq já cansei desse limão!!!!
Vamos girar q se a roda pára, eu bebo pra fazer ela girar e girar até a ressaca passar!!!
Q bom q tenho vc pra me incentivar a girar!!!