quinta-feira, 30 de setembro de 2010

#ProntoFalei!

Odeio Regras.

...

Na condição de seres humanos civilizados (?), temos que nos sujeitar a uma infinidade de regras que ditam a maneira como temos que viver. Uma interminável enciclopédia de regras morais, religiosas e comportamentais que definem tudo aquilo que podemos fazer, o que não podemos fazer, e como podemos fazer aquilo que nos é autorizado fazer. Boring!

Mas, ok. É assim o Mundo Contemporâneo, e dizem inclusive que devemos ser agradecidos aos nossos antepassados por terem construído uma sociedade civilizada que nos proporciona viver hoje de maneira minimamente organizada (??) e livre (???).

(há controvérsias, porque pra mim os conceitos de civilidade, organização e liberdade são bem diferentes de muita coisa que vemos por aí, mas o objetivo deste post não é contestar os estudos dos Sociólogos, Filósofos e afins, então, mais uma vez, ok.)

...

O que eu queria falar mesmo é que eu Odeio Regras "desnecessárias", aquelas que não constam de nenhuma lei, mas que as pessoas insistem em inventar e adotar em suas vidas e - eis o ponto - tentam impor para os outros como se fossem verdades absolutas.

Uma mania doentia de tentar sistematizar tudo, como se a vida precisasse ser limitada a um quadradinho óbvio e previsível.

E então as pessoas criam regras para usufruir de sua já limitada liberdade. Regras para namorar, Regras para transar, Regras para conversar, Regras para dançar, Regras para interagir, Regras para comer, Regras para expressar uma opinião, Regras, Regras, Regras e mais Regras, que não tem outro objetivo senão mascarar a própria falta de coragem de quebrar barreiras e expandir os horizontes.

Porque a vida não é um cercadinho, mas viver "protegido" dentro dos limites de uma série de regras é muito mais fácil e exige menos coragem, menos ousadia, menos criatividade.

Se todo mundo diz que tem que ser de tal jeito, então uma manada de "maria-vai-com-as-outras" rapidamente pula pra dentro do cercadinho e passa a agir daquela forma, sem sequer refletir sobre como poderia ser se outras formas fossem experimentadas.

Chato. Chato. Chato. Muito Chato!

Já não basta a Sociedade, a Igreja e as Leis Civis me ditarem como viver, ainda tenho que me preocupar com a maneira que os outros ACHAM que é certo viver? Até as coisas mais simples? Até como exercitar a MINHA liberdade?

Acho que é por isso que sou uma mente tão inquieta. Não há um único dia em que eu não me indigne com alguma regra idiota que tentam me impor, como se todo mundo soubesse melhor do que EU o que é melhor para a MINHA vida. E daí vem sempre aquela ladainha:

"ah, mas você precisa se encaixar",
"ah, mas agindo assim você vai chocar",
"ah, mas se você fizer isso todo mundo vai comentar",
"ah, mas você tem que se preservar",
"ah, mas você vai se machucar",
"ah, desde que o Mundo é Mundo é assim que as coisas são",
"ah, mas não é assim que se faz"

Onde é que estas regras estão escritas que eu não tô sabendo? Por que diabos eu não posso fazer as coisas que quero fazer, do jeito que quero fazer, na hora que eu quero fazer?

Não sou ingênua e sei muito bem que tudo na vida tem seu preço, inclusive e especialmente nossas escolhas, mas e se eu estiver a fim de pagar o preço, qual o problema? As pessoas não podem se recolher às suas insignificâncias e me deixar quebrar a cara sozinha? E se eu não quebrar a cara? E se essas escolhas, por mais caras que me sejam, me fizerem feliz?

Eis uma das maiores chagas da humanidade: MEDIOCRIDADE.

O mundo está infestado de gente de pensamento pequeno, limitado pelo cercadinho, gente que acha que é melhor viver de um jeito "aceitável" do que ousar, gente que no fundo é apenas covarde, e como não consegue assumir a covardia sozinho, fica querendo arrastar para o limbo qualquer um que se proponha a voar.

Gente megalomaníaca e vaidosa que acha que o mundo gira ao redor do próprio umbigo e que por isso todo mundo tem que fazer as coisas segundo as suas convicções.

Tô bem cansada de gente assim. BEM CANSADA.

No meu Mundo ideal, à exceção das regras "obrigatórias", cada um poderia viver do jeito que quisesse, e ninguém teria nada a ver com isso. É utopia, eu sei, mas não vou deixar de me indignar nunca!

Ninguém precisa aceitar nem aprovar o jeito de viver e as escolhas do outro, apenas respeitar. E é só isso que eu quero: RESPEITO. Ao que eu sou, ao que eu faço e à maneira como eu vivo. Quando eu quiser um conselho ou quiser conhecer outra opinião, eu PEÇO.

Como diria uma certa pessoa aí, "ME DEIXEM SER!"


#prontofalei

7 comentários:

Marilia disse...

"Let it be me" http://www.youtube.com/watch?v=4qS9KZGvxhA

AMEI O TEXTO!!!! De vez em quando precisamos soltar o verbo mesmo!!!!

Beijos!!!!!!!!!

Nira disse...

verdade. também sou assim e gosto de tudo do meu jeito. isso acaba me valendo ma certa má fama, mas tudo bem, rsrsrs

Sissi disse...

No fundo cada um vive do jeito que quer, sem se importar com a regra do outro, exatamente como você diz ser o seu mundo ideal. O problema é quando quem vive do jeito que quer EXIGE que a opinião divergente não exista, aí sim complica. Cada um vivendo como quer, mas sem esperar aprovações ou reprovações, isso sim parece ser mais cabível.
Comparando à política, mote atual, quem é de extrema esquerda ODEIA quem é de extrema direita, vice-versa, quando na verdade não precisam conviver ou convencer o outro de suas convicções. Basta que vivam suas ideologias políticas e gentilmente cumprimentem-se na rua, reconheçam a diversidade de pensamento e lembrem-se: somos todos seres humanos.
Especificamente tratando de você, é uma mulher que vive em contato com vários grupos, pensamentos, criações, aspirações e deveria administrar muito bem essas diferenças de pensamento, que são colocadas à mesa, mas não são obrigatórias. Eu nunca deixarei de falar a você algo que penso simplesmente porque "não é sua forma de viver". Como amiga prezarei sempre a liberdade de diálogo, mesmo que isso resulte em muita discussão de quês e porquês.
O mundo na verdade precisa de pessoas mais tolerantes e ser tolerante não é fingir que não está vendo o que o outro faz, é saber conversar: ouvir e falar.

Dona Farta disse...

Sissi, querida...

Achei que estivesse subentendido no post exatamente o que você falou.
Quando eu digo que a palavra de ordem é RESPEITO, é a isso que estou me referindo (fui explícita, aliás, talvez você não tenha entendido).
Ninguém precisa aceitar nem APROVAR as escolhas alheias, mas apenas respeitá-las e não tentar ficar dando pitaco quando não é solicitado apenas por achar que sua maneira é melhor que a do outro, apenas por achar que sua razão é mais coerente que a do outro.
As opiniões divergentes existem, obviamente, eu mesma não concordo com um tantão de coisas que vejo por todos os lados, mas apenas externo isso SE e QUANDO for solicitada, e ainda assim com cautela, caso contrário, tento RESPEITAR, especialmente quando se trata de um adulto que teoricamente tem plena capacidade pra viver sua vida do seu jeito.
É este o ponto.
Achei que tivesse sido clara.

Sissi disse...

É fato, não foi clara e agora entendi bem o que quis dizer. De fato peço desculpas por algumas vezes te dizer coisas das quais não me perguntou, portanto a carapuça me serviu muito bem. Mas aprendi que em uma relação de amizade tudo que mais existe é respeito e liberdade para dizer o que pensamos. Mas respeito também inclui entender bem o recado. É só.

Nira disse...

Olha, estou passando no blog de todo mundo que acessa o meu e avisando que restringi o acesso. Caso queira, manda um e-mail pra niracv@gmail.com que eu te envio um convite, ok? Abraço!

Anônimo disse...

Só tem anarquista por aqui.
Tem que respeitar regra sim, pessoal revoltado. rs