sábado, 10 de janeiro de 2009

Enfim, Sós... (E agora???)

Quem tem filhos pequenos sabe muito bem o perrengue que é conseguir fazer um programa de adulto de vez em quando.

É necessária toda uma organização logística para que o filho fique em segurança com alguém de confiança - tia, avó, babá, etc, além de ser bastante difícil pra uma mãe relaxar totalmente num programinha desses, porque está sempre pensando no(s) filho(s), se está(ão) bem, enfim... Aquelas paranóias de mães (e de alguns pais também).

No meu caso, especificamente, é tudo ainda mais difícil, porque como vocês sabem minha mãe já não está mais aqui, a família do meu marido não é de Sampa, então só tenho minhas irmãs com quem contar para estas ocasiões, e como minhas irmãs têm todas uma vida social muito agitada, fica tudo mais difícil.

Estamos acostumados com isso, e desde bebê o Lucas nos acompanha em todo lugar que dá. Cansamos de ir para barzinhos, restaurantes, festas e afins carregando o bebê conforto, colocávamos a cadeirinha sobre a mesa e o Lucas ficava lá conosoco, interagindo, curtindo a vida boêmia desde novinho. Como ele sempre foi muito tranquilo nunca houve stress, pelo contrário... Ele adorava um agito, e curte baladinhas até hoje.

Até para o Motel já carregamos nosso filho. Sim, Motel, e não precisam se assustar porque não somos nenhum tipo de casal bizarro que expõe o filho a situações inadequadas para menores. Nada disso!

Acontece que tínhamos como "tradição" de aniversário do meu marido ir comemorar todos os anos com um jantar e uma esticadinha / pernoite num Motel. Fazíamos isso desde que começamos a namorar, e nos primeiros anos de casamento minha mãezinha sempre ficava com o Lucas no dia em questão, para que pudéssemos comemorar a dois, a sós.

Só que em 2005, quando o Lucas estava com 4 anos e meio, minha mãe - que na época estava recém operada - não pôde ficar com ele. Lembro que ela até se ofereceu, tadinha, sabia que gostávamos de comemorar a data desta maneira, mas eu não quis cansá-la com isso, não era o caso.

Por outro lado, não queria deixar de comemorar o aniversário do meu marido. Estava sendo um ano difícil e ele estava sendo um grande companheiro segurando as pontas da minha instabilidade emocional por conta de tudo que estava acontecendo, e eu achei que aquela era uma ótima oportunidade de darmos uma breve respirada distante dos problemas.

Depois de muito pensar me ocorreu que nós poderíamos sim ir ao Motel. Por que não? Levaríamos nosso filho, e se a noite não fosse exatamente romântica como nos anos anteriores, na pior das hipóteses sairíamos da rotina e teríamos uma situação inusitada pra lembrar depois.

Tratei de me certificar de que isso seria possível. Era - qualquer um pode entrar no Motel com o(s) filho(s), desde que comprove, obviamente, que são realmente seus próprios filhos. E então surpreendi meu marido com o roteiro do nosso programa de aniversário: Jantar e Motel, com filho e tudo!

Foi uma comédia. Como era nossa primeira vez, estávamos meio envergonhados e constrangidos de entrar no Motel com uma criança. Vamos combinar que isso não deve ser uma situação exatamente corriqueira, né? Conversamos com o Lucas e explicamos pra ele que iríamos dormir num Hotel, e que quando chegássemos ao lugar ele não devia fazer muita algazarra nem falar muito, pelo menos não antes de estarmos dentro do quarto.

Encostamos o carro junto à cabine da recepção e, adivinhem? Quando a recepcionista veio nos atender o Lucas coloca o cabeção pra fora da janela e já vai se apresentando:

"Oi, moça! Meu nome é Lucas, e eu vou dormir neste hotel com o papai e a mamãe!".

Fiquei roxa de vergonha, claro, mas deu tudo certo e logo estávamos parecendo 3 crianças dentro da suíte, porque ir ao Motel com criança - acreditem - é uma comédia! Parecíamos uns retirantes, levamos colchonete, edredon, lençol, travesseiro, tudo. Estávamos praticamente acampando dentro da suíte. O banho de espuma enlouqueceu o Lucas, tudo pra ele era novidade e ele curtiu muito, nem conseguia dormir de tão eufórico que ficou. Foi um dia inesquecível, sem dúvida!

Repetimos a dose várias outras vezes, aliás. Depois da primeira vez perdemos a vergonha, e passamos a encarar isso apenas como um programinha familiar diferente, só pra sair da rotina, apenas dormir fora de vez em quando - dormir mesmo, claro.

Já fizemos isso, inclusive, em situações extremas, como quando houve um problema estrutural aqui no prédio e ficamos sem água por 2 dias. Lá fomos nós, de colchonete e todo o resto da tralha passar a noite no Motel, onde além do banho a diversão também estava garantida.

Contei essa história toda do Motel apenas pra exemplificar como as coisas funcionam aqui em casa. Se pudermos levar o Lucas, festeiros que somos, estaremos em qualquer lugar pra onde nos convidarem. Se não pudermos levá-lo, entretando, fica bem mais difícil, e muitas vezes acabamos abrindo mão do programa, na boa, sem stress.

Vida de mãe. Vida de pai. Isso é ter filhos, e apesar de tudo é uma delícia.

Mas aí os filhos crescem, e algumas possibilidades começam a se abrir, e todo casal tem a chance de reviver - ainda que por apenas alguns dias - aquela sensação gostosa do "enfim sós".

Desde os 5 anos de idade o Lucas vai para Acampamentos de Férias no verão e no inverno, sempre por cerca de 1 semana / 10 dias. São locais especializados que assumem o ônus de aguentar e administrar a energia da criançada - e adolescentes, já que a maioria dos Acampamentos recebe crianças de 5 a 16 anos - enquanto os pais recuperam as energias para aguentar o tranco do resto do ano.

Acho genial essa opção de férias, porque assim os pais conseguem descansar um pouquinho e curtir a dois, enquanto as crianças são arrancadas da frente da TV, da Internet, do Video Game, e são direcionadas a atividades muito mais saudáveis, a brincadeiras de verdade, a férias de verdade. Perfeito, não?

Aqui em São Paulo existem dezenas de Acampamentos deste tipo. E em toda temporada de férias alguns jornais e revistas costumam publicar matérias a respeito, e existem opções para todos os gostos - e todos os bolsos.

Claro que não é um programa barato, infelizmente. Mas ficar com os filhos em casa nas férias também não é barato, e qualquer saidinha para lanchar no MC Donald´s ou pegar um cineminha acaba consumindo uma grana do mesmo jeito, então a gente paga pelo diferencial, pelo conforto, pela diversão dos pequenos, pela qualidade das férias e pelo sossego dos pais.

Não estou recebendo nada pra fazer propaganda de ninguém aqui não, viu? Eu simplesmente recomendo aquilo que acho bacana, e como mãe veterana de acampante veterano que sou posso garantir que é seguro, saudável, divertido, e vale cada centavo empregado. E as crianças voltam muito mais leves, tolerantes, independentes, dispostas, bronzeadas, cheias de histórias pra contar. Uma delícia!

E daí que hoje começou mais uma temporada de férias do Lucas. Dessa vez ele foi para o República Lago, um acampamento bem tradicional e conhecido aqui em São Paulo, onde inclusive minha irmã já trabalhou como monitora na época em que cursava a faculdade de Educação Física.

Ficamos com um certo friozinho na barriga porque apesar de veterano será a estréia do Lucas no RepLago, então é quase uma segunda-primeira-vez. Ele, tadinho, nem dormiu direito à noite, estava numa ansiedade indescritível, mas o que me deixou bem tranquila foi ver a animação dele logo cedo, no ponto de encontro para o embarque.

E lá se foram 4 ônibus lotados de crianças e adolescentes entre 5 e 16 anos de idade. E ficaram os pais do lado de fora, dando tchauzinhos emocionados e ao mesmo tempo ávidos por alguns dias de sossego longe da algazarra dos filhos.

Não tenho a menor idéia do que meu filho esteja fazendo a esta hora. Certamente alguma coisa bem mais legal do que ficar em casa em frente à TV. Se sujando, se exercitando, se divertindo. Respirando outros ares, conhecendo outras crianças, vivenciando férias de verdade.

E nós estamos aqui, meio perdidos pra falar a verdade. A casa fica vazia demais sem o nosso baixinho, o silêncio chega a incomodar, ficamos parecendo umas baratas tontas sem saber direito pra onde ir, o que fazer.

Mas eu tenho planos. Planos de curtir muito essa semana a dois. O Lucas volta somente dia 19 de janeiro, então temos 9 dias aí pela frente pra "causar". E eu quero muito fazer todos aqueles programinhas que acabamos adiando por não ter com quem deixá-lo, como ir ao cinema ver um filme não-infantil, ver uma peça de teatro, ir a um show bacana, uma balada, e coisas do tipo.

O único problema é que nós estamos meio enferrujados. Como não saimos mais com tanta frequência não sabemos pra onde ir, o que fazer, que lugares são bacanas e de onde devemos fugir.

Estamos velhos. Esta é a constatação mais dura neste momento. Mas como só temos 9 dias nem vamos dramatizar muito isso, vamos simplesmente tentar ser jovens por alguns dias e fazer tudo que nossos corpos aguentarem.

Hoje é sábado e eu estou aqui fuçando na net atrás de algum lugar legal pra ir. Não tenho a mínima idéia do que fazer, do que é legal, mas hei de achar algo que faça valer a nossa noite, afinal, "todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite", não é mesmo?

E assim será durante toda a semana. Vamos aproveitar daqui enquanto o Lucas aproveita de lá. Essa é a idéia.

Alguma dica?


UPDATE:


Vejam que legal. Estou aqui e meu filho está lá (em Leme/SP), a mais de 200 km de distância. Mas mesmo assim, acabei de ver algumas imagens dele do dia de hoje... tão lindo!



Com o time sei-lá-do-que.

Brincando...


Desenhando...


Almoçando...

7 comentários:

INFERNANDA disse...

aaaaai meu, quando eu for mãe, vou me espelhar em várias coisas em voce Fla!
A chuva de "neve" de isopor, desenho corporal com guache, e a ida no Motel cooooom certeza estao anotados...rs

Fernanda disse...

Será que um dia vou conseguir deixar a gabis ir pra uma colonia de férias?? eu sofro só de pensar kkkk
Quando ela vai passar uma tarde na casa da minha irmã eu fico enlouquecida. Antes dela sair faço mil planos e quando ela sai não consigo fazer nada porque fico contando os minutos pra ela voltar. rs

Vanessa disse...

Hummm eu tenho uma dica Flávia...porque vc e Odylo não tiram um findi para vir jantar em casa? Prometo fazer uma comidinha bem gostosa e caseira.
Vc sabe que Didi e eu curtimos demais gente em casa, ainda mais quando se trata do casalm mais querido da gente!!!
Só me falar...
Ai ser mãe é padecer no paraíso, meu filho vai com o tio pro Guarujá tb então já viu né?
beijocas e aguardo resposta.
PS. ou sei lá, se não quiserem vir aqui marca um lugar pra gente se encontrar, comer uma pizza, videokê sei lá...

Jacke Gense disse...

Hahahahaha... eu ri muito com este post!!!
Eu nunca levei meus babys num motel, embora já tenha pensado na possibilidade...
Enfim.. agora pense no meu caso Fla... o carro lotado de crianças... tá bom vai.. 2 e meio crianças.. não rola né???
Mas eu sou como vc... sempre arrasto os pequenos para tudo que é canto...

Boas férias... aproveite bem, pois estes dias acabam num piscar de olhos!

bjs
Jacke

Jorge disse...

Amiga Flávia, boa noite, caramba li todo o seu relato e gostei muito, realmente vc nos deu uma LIÇÃO DE VIDA, gostei do "Jantar e Motel, com filho e tudo!" Ainda mais que quando o Luquinhas botou a cabeça do lado de fora e se apresentou a moça do Motel...rsss...também dei muitas risadas...
Bom vc disse que não faz essas saídas a muito tempo que está velha que está enferrujada, que isso amiga vc nos deu uma lição e ainda diz que está enferrujada, levante a cabeça e vai em frente, aproveite que o filhão tá fora pega o maridão e aproveite minha amiga. E as corridas como vão.
Desejo a vc e sua familia uma abençoada semana.
Bom entendo o seu lado de mãe atenciosa, mais me diga uma coisa e quando o Luquinhas crescer e ter sua vida própria e ter uma namoradinha, quando se casar e aí o que vc vai fazer...
Tá sabendo da NOVIDADE a Jacke tá grávida, a família tá aumentando.

Bjsss

JORGE CERQUEIRA
www.jmaratona.blogspot.com

KARLA disse...

Ler seus post é rir o tempo todo pq vc é muito animada amiga eu adoro!! Ida ao motel nossa já falei com o meu marido isso ele disse q n tem problema mesmo rsrs.
Amiga faz um jantar a sós e coloca uma musica ambiente e depois amiga deixa rolar uiiiiiiiiiiiiiiii aproveita e depois conta heim rsrsr.

BEIJOS E AMO VC AMIGA!

Judson Gurgel disse...

Esse blog precisa ficar no ar para sempre!
Daqui a muitos anos, quando o Lucas for adulto, ele vai dar boas risadas com as histórias que você conta por aqui!

Xero grande primona!