domingo, 9 de maio de 2010

MÃE

Dia das Mães.

Não há nada que eu possa falar hoje que eu já não tenha dito aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui ou aqui.

A saudade infinita que sinto da minha mãe é tema recorrente no Blog, e hoje, pensando no que eu escreveria pra ela, me ocorreu que já não encontro mais palavras pra expressar o que esta falta significa na minha vida.

Porque tudo na vida é finito, exceto o amor de mãe e a saudade que tenho da minha grande heroína.

É o 5o. Dia das Mães sem ela. Pela 5a. vez, esse segundo domingo de Maio não parece ter o menor sentido. Pela 5a. vez a saudade aperta e dói tanto que é impossível descrever. Pela 5a. vez eu choro copiosamente, inconformada por não tê-la aqui comigo...

Ela era meu chão, meu porto seguro, minha conselheira, minha confidente, meu exemplo, meu tudo. Continua guiando cada um dos meus passos, eu sei, mas não posso dizer que sua presença espiritual na minha vida me basta, porque eu queria mesmo poder beijá-la, abraça-la, deitar no seu colo e conversar horas e horas sobre todas aquelas coisas que há 5 anos não tenho mais com quem conversar... Esse vazio nunca acaba. Esse vazio dói cada vez mais.

Ainda assim, sobrevivo. Simplesmente porque foi Ela que me ensinou a ser guerreira e não desistir nunca, foi ela que me transformou na mulher de verdade que eu sou hoje, e vivo cada um dos meus dias focada no objetivo de jamais decepcioná-la, de deixá-la orgulhosa de mim, de fazê-la sorrir lá no céu feliz pelos frutos das sementes bem cultivadas.

Será assim todos os dias enquanto eu viver...

Porque sou filha de Dona Fátima, e tenho uma missão a cumprir. Porque sou filha de Dona Fátima, e ela me ensinou a seguir sempre em frente. Porque sou filha de Dona Fátima, tenho o sangue dela, a personalidade dela, e a obstinação que ela me ensinou a ter pra enfrentar essa jornada duríssima que é a vida.


Porque sou filha de Dona Fátima, e vou amá-la pra sempre... SEMPRE!

Feliz Dia das Mães, mãezinha!!!



"... no ventre da mãe bate o coração de Clara, Ana, e quem mais chegar..."


Essa foi uma das canções cantadas pelo meu filho na Missa das Mães realizada pelo Colégio na manhã deste sábado. Uma linda e singela canção, que neste trechinho que destaquei resume perfeitamente o amor de mãe: Ele é infinito... para Clara, Ana, e quem mais chegar.

Só as mães são capazes de tanto amor!

E eu sei disso porque fui muito amada pela minha mãezinha, assim como amo de maneira incomensurável o maior tesouro que tenho nessa vida: Meu filho.

Ser mãe é uma dádiva. É a viagem mais alucinante que se pode fazer. É a aventura mais emocionante que se pode viver. É a experiência mais intensa que se pode ter...

Sou grata por ter sido digna de tamanho privilégio. Sou grata por ter sido digna de um filho tão incrível. Sou grata por poder ser mãe e conhecer o verdadeiro significado do amor incondicional.

Feliz Dia das Mães!

4 comentários:

Carla disse...

Perfeito amiga!
Amei cada linha e vc me emocionou!!
Saudade, Bjo, Carla.

Eric Bauer disse...

Lindo. E como dizia Cazuza: só as mães são felizes.

Feliz Dia das Mães : )

Fernanda disse...

amiga...
sei o que vc sente... tamb[em me sinto assim!
tudo vai melhorar! bjks

Jacke Gense disse...

Tô com saudades das suas postagens... seus textos são muitos bons!
bjs