quinta-feira, 25 de outubro de 2007

A Cidade do Sol



"Devorei" esse livro em praticamente 1 semana... nem preciso dizer a razão, né??? É muuuuito bom!!! Terminei de ler ontem à noite, e ainda estou emocionadíssima, profundamente tocada...
A segunda obra de Khaled Hosseini não decepcionou os fãs do best-seller "O Caçador de Pipas", e provou que ele realmente tem o "dom" de emocionar...
Há muitas semelhanças entre as duas histórias, até porque o cenário é o mesmo, e novamente a abordagem é sobre amizade, amor, dor, perdas, culpas, mas, sobretudo, sobre esperança.
Desta vez há duas personagens femininas - Mariam e Laila, cujos destinos são surpreendentemente cruzados numa circunstância tão improvável para nós, ocidentais, mas tão comum àqueles que sofrem as atrocidades da guerra devastadora que assolou (e ainda assola) os povos que vivem sob regimes fundamentalistas no Oriente Médio.
É impossível não se revoltar contra as convicções e os costumes absurdos daquele povo, por mais que saibamos que é uma questão cultural que talvez não seja tão radical para eles como parece a nós... É impossível não se sensibilizar com o sofrimento das mulheres que vivem sob esses regimes radicais, é impossível não se espantar com a resignação de algumas delas, e com a forma como elas suportam uma vida cruel e infeliz como se aquilo fosse a única opção de vida que têm.
São duas vidas marcadas pelas esperanças frustradas, pela rejeição, pelas perdas irreparáveis e pelo conformismo com o que lhes resta. São duas vidas sufocadas pela guerra, pelo fundamentalismo e pela opressão às mulheres. Mas, embora sofram todas essas coisas quase ao mesmo tempo, ainda assim resta a capacidade de amar, a capacidade de se devotar, e a capacidade de manter a esperança, mesmo quando isso parece uma utopia.
É um tipo de leitura completamente envolvente, e por isso a gente fica com aquela angústia de terminar logo a história, pra saber o que vai acontecer a essas mulheres que chegam a criar vida em nossa imaginação, que chegam a fazer parte da rotina da gente durante esses dias de leitura, e pelas quais nutrimos uma afeição inimaginável...
Há um ou outro pequeno "exagero", seja no sentimentalismo ou na dramatização exagerada... Mas já me convenci de que esse "exagero" é algo perceptível apenas aos nossos olhos, ocidentais, porque todas essas barbaridades são extremamente reais dentro daquela cultura, nada é demais para um povo tão sofrido, nenhum sofrimento é grande o bastante para ser "demais".
Eu chorei... chorei muitas vezes durante a leitura, mas principalmente, chorei no final... Só não posso dizer o porquê, mas estou realmente emocionada!
Recomendo! Ótima leitura!

Um comentário:

lilica disse...

Já li o caçador de pipas, muito bom, e agora estou lendo a cidade do sol curiosíssima pra terminar, principalmente agora que li seu comentário sobre o final. Bjs.