segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Hannibal - A Origem do Mal


Quem não se lembra do grande vilão "Hannibal Lecter", do ótimo filme "O Silêncio dos Inocentes"???

Pois é... como quase sempre acontece na indústria cinematográfica, toda vez que uma história ou uma personagem funciona muito bem, eles tratam de repetir a dose muitas outras vezes, até esgotar completamente "o assunto"... Não foi diferente com Lecter...

Sou fã de carteirinha de "O Silêncio dos Inocentes"... já vi muitas vezes (coisa rara, porque não gosto de ver um filme repetidas vezes), e até hoje sou meio enfeitiçada pelos mistérios do grande vilão, se estou zapeando e vejo o filme, paro novamente pra ver...

Daí ontem, domingão, altas horas da noite, nada que prestasse pra ver na TV, resolvemos assistir o último filme lançado sobre Lecter, cujo título é auto-explicativo. "Hannibal - A Origem do Mal" conta a história do vilão desde sua infância, e mostra como e porque ele virou o canibal que mais tarde ficou famoso por seus crimes chocantes.

Eu assisti também, há algum tempo, os outros dois filmes que pegaram carona no original - "Hannibal" e "Dragão Vermelho". Se eu tivesse que colocá-los numa ordem de preferência, "A Origem do Mal" ficaria em 3º Lugar dentre os 4, ganhando somente de "Hannibal", aquele com a atriz Juliane Moore no papel da investigadora Clarice do FBI - este muito ruim, ruim de doer!

Este filme mostra Hannibal como uma criança encantadora, que vive em algum lugar da Europa Oriental na época da Segunda Guerra Mundial. Filho de família nobre, ele tem sua rotina subitamente abalada quando seus pais decidem fugir da guerra, e vão para uma cabana no meio do nada. Sua irmãzinha Mischa é sua fiel companheira de aventuras infantis, e ambos assistem aterrorizados a morte dos pais em um ataque.

Tentando sobreviver e cuidar da irmã, Lecter novamente enfrenta os vilões da guerra, e perde então o que lhe restava, sua irmãzinha, de uma maneira "canibalesca".

A partir daí, o filme vai retratando a adolescência perturbada e o desenvolvimento das habilidades cruéis do vilão, num jogo de vingança que acaba por torná-lo uma lenda dos crimes, ultrapassando as fronteiras continentais e chegando à América.

Como eu disse no começo, é um filme razoável... Bem longe de ser bom, mas tem alguns pontos positivos... Pena que o roteiro se perca ao deixar de explorar melhor os vilões de Hannibal, deixando algumas coisas muito sem sentido. Pra quem gosta da inteligência e do carisma do Lecter de Anthony Hophkins, é decepção na certa... O jovem ator escalado para o papel não é dos piores, mas sua inexperiência para viver uma história tão complexa faz com que ele exagere e não convença.

De qualquer forma, dá pra assistir... Não deixa de ser um suspense, embora previsível, e como nessa história ninguém precisa fazer exercícios pra descobrir quem é o algoz, não deixa de ser um ponto de vista diferente de tantas outras histórias de mistério que tentam fazer por aí.

Um comentário:

Fê, a noiva neurótica! disse...

ja te contei que eu adoro ver filmes, mas eu durmo na maioria das vezes, se o começo dele nao é interessantissimo?
Ja perdi as contas de quantas vezes fui no cinema, e me deixei em modo de espera UHAUHAUHAUHUHAUHAAUA fico la com os olhos abertos, olhando pra tela, mas vixe, eu nem to la HUAUHAUHUAHUHAU
O Gas escolhe uns filmes bacanas, entao consigo me manter acordada, mas antigamente minha vida cinéfala (assim?) era um sono só... ja cheguei a abrir o braço da cadeira do cinemark, pra deitar e puxar um ronco acredita? ahahahahahahahahhaha


to com sono.
to escrevendo o negocio la auhauhahua

bbbjo

www.anoivaneurotica.blogspot.com