quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Parem o Mundo que eu quero descer!!!

Mulher à beira de um Ataque de Nervos. Louca. Surtada. Desesperada. Perdida. Cansada. Estressada. Irritada. Atrasada. Desconcentrada. Desorientada. Insuportável.

Esses são apenas alguns dos adjetivos que podem me descrever nos últimos dias...


Gente, socorro! O que está acontecendo com o Mundo??? É impressão minha ou aceleraram a rotação do Globo Terrestre??? Porque, honestamente, meu dia tem bem menos horas do que deveria... Alguma coisa está fora de ordem, tenho certeza!

De repente tudo virou de pernas pro ar... A cada minuto, a cada segundo, tem alguém me solicitando... tudo sempre "urgente", mal consigo respirar! Eles nem se preocupam em intercalar, é quase tudo ao mesmo tempo: "Mããee!" (o filho); "Moreee!" (o marido); "Doutoraaa!" (os clientes); "Senhoraaaa" (o carteiro, o cara da companhia telefônica, o vizinho, a moça do telemarketing); "Fláviaaa" (os amigos, os mais íntimos); "Trimmmmm" (o maldito telefone). E assim por diante!

Simplesmente não dou conta... Parem o Mundo que eu quero descer!!!

O que será da nossa vida se continuarmos nesse ritmo, heim??? Honestamente, não sei, mas às vezes fico bem preocupada... Devíamos ter nascido todos com rodinhas nos pés, porque vivemos numa correria tão grande, céus! E sei que não sou só eu que tenho essas queixas... O tempo todo, com todo mundo que falo, a frase que não falta é sempre a mesma: "Ah, estou numa correria tão grande!"

CORRERIA. Esta é a "palavra do momento". Todo mundo frenético demais, todo mundo sempre correndo, todo mundo sempre escravo do relógio que, como eu disse acima, tenho certeza que anda com algum defeito, porque as horas voam, dia após dia as horas voam, passam tão rapidamente que eu nem tenho mais certeza se um dia tem realmente 24 horas, se uma hora tem realmente 60 minutos, e se um minuto tem realmente 60 segundos... O meu dia, pelo menos, acho que não tem, porque se tivesse talvez eu conseguisse dar conta de parte das coisas que tenho pra fazer...

Será??? Ou será que somos nós que assumimos cada vez mais obrigações, cada vez mais compromissos, afundamos cada vez mais no trabalho e nem lembramos que devíamos todos reservar um tempo diário para simplesmente não fazer nada, e poder então nesse momento fazer aquelas pequenas coisas que nos dão prazer, pras quais hoje em dia nunca temos tempo???

Definitivamente, preciso fazer algo a respeito disso tudo... Porque, nesse ritmo, tenho medo de ficar velha sem nem perceber, tenho medo de perder a vida enquanto corro demais cuidando das obrigações diárias, tenho medo de perder pessoas queridas por nunca ter tempo de estar com elas... Preciso encontrar uma solução pra diminuir o ritmo... Precisamos todos, na verdade, encontrar uma solução pra tentar viver melhor, porque essa "correria", com certeza, não é vida... não mesmo!
Mas... qual seria a solução ideal? Estou no meio de um rolo compressor... trabalho que se acumula sem que eu consiga dar conta, afazeres domésticos que acabo negligenciando porque não dá tempo, pessoas com as quais não consigo falar - nem pessoalmente, nem por telefone, nem por email - porque não consigo dar uma pausa pra dizer-lhes um "oi", dias e mais dias que se passam sem que eu consiga ao menos fazer uma refeição decente (não me lembro da última vez que sentei para almoçar, por exemplo) e cuidados feminininos então, puxa... coisas como fazer as unhas, pintar os cabelos, depilar, fazer uma massagem, ginástica, limpeza de pele??? Só se houvesse um clone de mim mesma que pudesse ir ao salão de beleza, porque eu nem lembro mais a última vez em que separei um tempinho para os meus cuidados pessoais... Céus! Estou parecendo uma "mulher das cavernas"! Que caos!

Estou aqui, meio desorientada, pensando em possíveis soluções pra mudar esse cenário, mas não consigo pensar em nada muito plausível:

Solução Suicida:

Ok. Eu poderia simplesmente cortar os pulsos e morrer, e então teria paz eternamente. Teria um belo funeral e vários amigos que eu não tenho tempo de encontrar há séculos conseguiriam um horário em suas agendas apertadas para me dar o último Adeus. Receberia belíssimas coroas de flores, e as pessoas falariam coisas como "ela era uma pessoa incrível" ou "ela foi uma amiga especial"... E o meu epitáfio seria: "Vivi intensamente, mas não aguentei o tranco"... Hummmm... pensando bem, isso não parece nenhum pouco legal... Seria algo como "assumir o fracasso", e, pra falar a verdade, não quero dar "o último adeus" a ninguém... quero mesmo é abraçar as pessoas que amo, muito bem viva, e curtir com elas momentos especiais e dar muita risada... E, de qualquer modo, tenho tanta coisa pra fazer... tanta coisa... de modo que não tenho tempo pra morrer, definitivamente não posso ainda ir embora, não mesmo! Idéia descartada;

Solução Melodramática:

Ok. Eu poderia simplesmente me trancar no quarto e chorar até a última lágrima, ficaria lá, imóvel, sem comer nem nada, até que alguém teria tempo de perceber que algo não vai bem e daria um jeitinho de me ajudar. Talvez eu fosse internada para um tratamento "desestressante", e talvez recebesse diariamente visitas adoráveis de amigos que não vejo há tempos, todos trazendo caixas de bombons e buquês de flores, e então teríamos finalmente alguns minutinhos, na hora da visita, pra desacelerar. É... mas pensando bem, não quero ficar internada, não posso ficar internada ou doente, tenho muita coisa pra fazer e isso seria definitivamente uma perda de tempo, porque depois eu voltaria à realidade e tudo estaria me esperando exatamente do mesmo jeito, certo? Idéia descartada;

Solução Violenta:

Ok. Talvez eu poderia apenas ter "um dia de fúria", como Michael Douglas no filme. Talvez pudesse sair por aí distribuindo sopapos em quem ousasse me encarar ou entrar no meu caminho, talvez eu pudesse sair por aí brigando com todo mundo, e talvez se eu fizesse isso conseguisse colocar pra fora toda a minha raiva e a minha angústia, e talvez... bem... talvez as pessoas passassem a me ver como uma desajustada definitiva... É... acho que não quero isso também... eu poderia perder amigos, clientes, poderia perder a minha dignidade, talvez até meus parentes ficassem meio distantes de mim definitivamente. Não quero isso, e, afinal, tenho muita coisa a fazer. Idéia descartada;

Solução Workaholic:
Ok. Talvez tudo seja apenas uma questão de eu "colocar as coisas em dia". Talvez se eu tirasse uma semana pra fazer uma maratona, conseguisse acertar tudo. Talvez eu pudesse tomar vários red bulls ou algo assim, me alimentar exclusivamente de produtos à base de cafeína, e talvez eu conseguisse ficar, tipo, uns 5 ou 6 dias acordada direto, trabalhando dia e noite, e talvez assim as coisas voltassem para os trilhos. É... mas, pensando bem, acho que depois das primeiras 24 horas provavelmente eu perderia minha capacidade plena de fazer qualquer coisa, talvez eu ficasse meio alterada, e talvez o estrago fosse ainda maior, e talvez eu morresse de exaustão. Isso definitivamente pode não dar certo, pode aliás dar bem errado. E, vocês sabem, não posso morrer... tenho tanta coisa a fazer... Idéia descartada;

Solução Fraternal:

Ok. Talvez tudo seja apenas uma questão de pedir ajuda às pessoas que me amam. Talvez se eu explicasse o caos pelo qual estou passando para as pessoas, talvez se meus amigos e parentes entendessem toda essa bagunça, se proporiam a vir me ajudar numa espécie de "maratona do bem" (tipo aquele filme A Corrente do Bem, sabe?), e conseguiríamos em pouco tempo colocar as coisas em ordem, e tudo ficaria bem, e todos felizes por terem me ajudado, e então eu poderia recomçar do zero, sem pendências, sem atrasos. É... mas, pensando bem, eu sei que todo mundo anda bem ocupado, e sei que talvez isso não dê muito certo porque, afinal, eu tenho um defeitinho - só um pequeno defeitinho - de ser meio centralizadora e perfeccionista, e talvez eu nem mesmo conseguisse dividir a carga com as pessoas, de modo que poderia se formar uma confusão muito grande, sem nenhum resultado. Idéia descartada;

Solução Mágica:

Ok. Talvez tudo seja questão de concentrar as energias na coisa certa. Talvez eu devesse apenas invocar a minha Fada Madrinha e pedir que ela, assim como fez com a Cinderela, usasse sua varinha mágica pra dar uma "limpada" da minha vida. Ela poderia com um simples "sin sin salabin" fazer uma mágica encantada e tornar a minha vida cor-de-rosa, onde não haveria trabalho pendente nem desorganização. Talvez eu aproveitasse pra pedir a ela um pouco mais de inteligência e agilidade, vocês sabem, apenas pra evitar que a confusão se repetisse no futuro... Hummm... isso seria ótimo, não seria? Eu poderia também pedir pra Fada Madrinha, se não fosse abuso, lógico, que ela fizesse uma grande festa onde eu chegaria numa carruagem em grande estilo para encontrar todos os meus amigos e familiares, que estariam felizes bailando pelo salão, bebendo champanhe de boa qualidade e abraçando-se uns aos outros. E eu seria uma espécie de "Cinderela" dessa festa, e então seria eternamente conhecida como a "Cinderela Moderna", ou algo assim... Céus! Isso seria fantástico!!! Mas... me surgiu agora uma dúvida... afinal, Fadas Madrinhas existem, não existem??? Não posso dizer que já vi uma alguma vez na vida, mas, vocês sabem... talvez elas sejam apenas discretas e não gostem de aparecer... Alguém tem o número do celular de uma Fada Madrinha??? Hummm... parece que não, né... é... acho que talvez elas não existam mesmo... de modo que... de modo que preciso voltar à realidade, e encontrar uma solução mais exequível. Idéia descartada;

Solução Feng Shui:

Ok. Talvez tudo seja uma questão de "liberar as energias"... Li em algum lugar que quando nossa vida não vai muito bem, precisamos liberar as energias. E, segundo os ensinamentos do Feng Shui, isso significa inclusive dar uma boa limpada no ambiente doméstico e de trabalho. É... talvez eu devesse começar a reorganizar a disposição dos móveis da minha casa, talvez devesse reacomodar minha mesa de trabalho, talvez devesse redecorar a minha casa com as cores certas e talvez assim as energias começassem a fluir adequadamente, e então eu seria uma mulher perfeita, que faz todas as suas obrigações sempre com um sorriso lindo no rosto, que senta no computador e executa quilômetros de petições em pouco tempo, que vai para a cozinha e prepara um jantar maravilhoso em poucos minutos, e talvez a minha vida fosse como um comercial de margarina. Seria ótimo, não seria? É... talvez seja mesmo tudo uma questão de "energia"... Só... só me surgiu uma pequena dúvida agora: será que essa liberação das energias teria forças suficientes para colocar em dia as coisas atrasadas que eu tenho pra fazer? Porque, assim, preparar toda uma casa segundo os ensinamentos do feng shui pode levar um bom tempo, vocês sabem, e o meu receio é que depois de tudo eu ainda precise voltar à velha lista de pendências... Hummm.... não me lembro de ter lido nada sobre isso em "Os ensinamentos segundo o Feng Shui" (aliás, o que significa mesmo feng shui?)... Bom... acho que isso é meio balela, pra falar a verdade... vocês sabem, eu sou meio cética, não consigo acreditar muito que liberar as energias da minha casa fosse resolver minhas pendências e, como tenho muito a fazer, melhor não perder tempo com isso. Idéia descartada;

Solução Infantil:

Ok. Talvez tudo seja uma questão de ver o mundo com os olhos de uma criança, não é isso que dizem o tempo todo? Então! Talvez se eu pegasse a pilha de papéis, documentos e processos que se acumulam sobre a minha mesa, e pensasse em algo realmente criativo pra fazer com ela, talvez se eu me permitisse voltar a ser criança e brincasse de recortar bonequinhos, por exemplo, ou se fizesse pinturas com tinta guache, ou origamis, ou recortasse tudo até virar um saco enorme de confetes que eu poderia jogar pro alto por horas e horas... isso seria realmente desestressante... só que, talvez... talvez... talvez eu realmente fosse internada como louca... Ahhhh... vocês sabem, não tenho tempo pra ser internada, afinal... Idéia descartada;

Solução Engajada:

Ok. Talvez eu devesse mesmo prestar mais atenção nas necessidades do nosso planeta. Sim! Eu poderia começar a fazer algo a respeito agora mesmo! Tipo, pegar toda essa montoeira de papel que se acumula sobre a minha mesa e simplesmente levar em algum local de coleta seletiva de lixo. Quilos e mais quilos de papel reciclável, céus! Talvez eu até ganhasse um prêmio de "cidadã engajada" do Green Peace ou algo assim, por estar contribuindo tão enormemente para o equilíbrio ambiental (pensem! Quantas árvores poderiam ser poupadas se toda essa minha papelada fosse reciclada!)... E depois, essa papelada entulhada só serve pra me lembrar a cada minuto que tenho muuuuuito trabalho a fazer, de modo que se eu desse um sumiço nela, minhas preocupações poderiam ir embora também... Eu não teria mais uma mesa atulhada pra olhar, e pareceria estar tudo bem, afinal. E é apenas papelada, não é? Por que é que as pessoas precisam de tanto papel? Gente! Precisamos salvar o planeta, e eu poderia começar a fazer isso agora mesmo! É só arrumar um enorme saco preto de lixo, jogar tudo dentro, e... e... bem, talvez isso seja meio irresponsável, não? Porque, assim, não é simplesmente uma papelada à toa... ai... como é duro aceitar isso, mas a verdade é que eu não vou poder salvar o planeta! É... não vou poder jogar tudo isso na coleta seletiva de lixo, porque, vejam bem, é tudo trabalho... tudo supostamente importante... E, provavelmente, eu perderia meus clientes e seria processada judicialmente, algo assim... E tudo que não preciso a essa altura do campeonato é de mais um problema, certo? Ah... Planeta Terra querido... ainda não posso te salvar... me desculpe! Idéia descartada;

Solução Kumon:

Ok. Talvez tudo seja apenas uma questão de concentração, como eu não pensei nisso antes??? Talvez se eu fizesse um curso intensivo Kumon e aprendesse a canalizar minha concentração através da repetição, talvez eu pudesse voltar pra casa, sentar na minha mesa de trabalho e resolver tudo em poucos minutos! É... seria fantástico, eu integralmente concentrada na minha enorme papelada, executando meu trabalho ritimadamente, e então a pilha de pendências diminuiria de uma maneira tão rápida que eu não teria tempo nem para ficar cansada... talvez eu pudesse correr para a arrumação da casa e fazer tudo num simples piscar de olhos, e então preparar um jantar delicioso em segundos, e depois desfrutar do restante do dia apenas fazendo coisas que me dão prazer de verdade... Puxa! Talvez eu até entrasse para o Guinness Book como "a mulher ajato" ou algo assim... Não seria ótimo??? Seria tudo questão de seguir o método, me concentrar e... bem... não sei se o meu trabalho é exatamente o tipo de trabalho que dá pra se fazer no esquema "linha de produção"... na verdade, acho que isso é impossível... porque, assim, eu realmente preciso encontrar soluções mirabolantes em favor dos meus clientes até quando elas parecem não existir, juridicamente falando, claro, de modo que não acho que seria muito plausível fazer tudo tão esquematicamente... isso poderia me rendeer um bocado de problemas, aliás... Melhor não! Ideía descartada;

Solução "Fechada pra Balanço":

Ok. Talvez todo o problema esteja no fato de eu assumir muito mais responsabilidades e trabalhos do que realmente dou conta. Talvez eu devesse simplesmente dar um tempo, como "fechar pra balanço". Algo como desligar todos os telefones, desconectar todos os emails, e concentrar algumas semanas apenas para resolver o que está pendente, sem pegar nenhum novo trabalho. Ah, seria o paraíso. Porque, assim, eu amo trabalhar, realmente amo. Amo cuidar da minha casa, da minha família, amo ser uma mulher multifuncional... Só não tenho curtido muito isso tudo ultimamente porque realmente estou atolada, mas se eu conseguisse desatolar... Bem... essa solução seria boa, não seria? Só tem um pequeno detalhe: Quem foi que disse que meus clientes me dariam essa folga??? Com certeza não, afinal, eles precisam de mim o tempo todo, até para perguntar alguma coisa não-jurídica, simplesmente ficaram dependentes dos meus pareceres, e afinal, é pra isso que me pagam! Se eu deixar de atendê-los, simplesmente os perderei, e então morrerei de fome, e então serei despejada, e então virarei uma "sem-teto", e então tudo estará perdido (se bem que às vezes tenho a impressão de que a vida de um sem-teto pode ser tão menos estressante do que a nossa!). Isso definitivamente é utopia... Sem chance. Idéia descartada;

Solução Monetária:

Ok. Talvez o único jeito de sair dessa seja ficar rica. Ganhar na Loteria, ou algo assim. É, porque ficar rica trabalhando eu acho bem improvável, sabem? É como dizem, a gente trabalha demais e não tem tempo de ganhar dinheiro - pura verdade! Mas então, vejam bem, se eu tivesse um pouco mais (muito mais na verdade) de dinheiro, talvez não precisasse trabalhar tanto, talvez não precisasse cuidar dos mínimos detalhes da casa (eu teria uma ajudante em tempo integral), talvez não precisasse viver correndo tanto. Talvez eu pudesse inclusive me transformar numa dessas madames que vivem com a agenda apertada por conta de compromissos sociais e hora marcada no salão de beleza, e talvez eu pudesse nunca mais ter pendências de trabalho pra resolver. Só que... pensando bem, eu nunca quis ser esse tipo de pessoa... não que eu não ache legal, é só que eu gosto de trabalhar, realmente gosto... e gosto de cuidar de tudo, e gosto de estar sempre no controle, e gosto de vida que tenho, só queria mesmo ter um pouco mais de tempo para não viver sempre tão sufocada pelo rolo compressor. De modo que, ainda que eu ficasse rica, o que eu adoraria, com certeza, não seria isso que resolveria meus problemas... e já que não há tempo disponível nas lojas à venda, realmente eu continuaria enrolada, meu dia continuaria tendo essas míseras 24 horas, de modo que essa idéia, bem, não vou descartá-la, porque quero ficar rica, mas ela não serve de solução para a problemática atual. Saco!

Bem... parece mesmo que não há solução fácil, afinal... O jeito é voltar pra minha vida real e tentar continuar matando um leão por dia, me empenhando, dando o melhor de mim, e torcendo para que tudo valha a pena...

E depois, vir aqui perder alguns minutos escrevendo tudo isso acabou me dando uma boa revigorada, ah, como eu amo escrever... queria poder fazer isso profissionalmente, sabe... tipo, pra sempre? Não sei se sairia muita coisa que preste, mas seria fantástico conciliar essa minha "auto-terapia" de escrever com um ganha pão... quem sabe um dia...

De qualquer forma, que esse post sirva de diversão pelos devaneios mas também de reflexão pra todos nós... O que diabos estamos fazendo com nossas vidas? Precisamos parar de correr o tempo todo! E se for pra correr, que seja então profissionalmente, como um atleta ou algo assim... Porque enquanto a gente corre com as coisas do dia a dia a vida também vai correndo, e há um enorme risco de nos perdemos dela em algum momento, sem ao menos ter tomado conhecimento de suas maravilhas!

8 comentários:

ERICA disse...

Amiga.......
Estava lendo seu post sem a menor intenção de fazer um comentário...td pelo simples fato de estar com meus dedos em "carne viva" de tanto digitar....Mas durante a leitura percebi q tô dentro do caos tb e resolvi comentar.....Eu simplesmente demorei 35 minutos pra conseguir ler seu post....
E sabe pq?? Veja: 1) levantei pra desligar a máquina; 2) fui por a Ariadne no banho; 3)fui atender minha chefe sem noção q liga na minha casa; 4) fui fazer o leite do bb;
Afffffffffff.....Qd vc conseguir parar o mundo me avisa pq eu tb vou descer.....Mas caso vc não consiga, vamos abortar umas obrigações e sair pra tomar um porre de soda, coca-cola, suco de maracujá...kkkkkkkk

Beijos

Vanessa disse...

Solução "respirar fundo e se dar um tempo só".
Ah eu gosto de fazer isso quando estou à beira de um ataque de nervos fada.
O dia a dia é bem complicado e se não nos dedicarmos meia horinha do dia que seje como vai ser?
Mesmo pq, se vc está chamando sua fada madrinha, como é que eu vou ficar sem a minha,s endo que a mesma está à beira de um colapso? rs
beijos
to com saudades viu?
Van

Lucy e Jeff disse...

Sò passei para te deixar um beijo !

Denise disse...

SIIIIIIMMMMMM... ele cantou tudo traduzido e daquele jeitão "traduções BH-FM"... foi engraçado demais, eu tava me dobrando de rir!
E o diálogo foi transcrito exatamente tal como aconteceu!
eu até estava com um outro post pronto pra fazer ontem, mas depois disso tudo eu olhei pra cara dele e falei: "vamo postar isso?"
daí postamos. E ele cantou de novo a música traduzida pra eu poder digitar... figura esse marido!
beijos e volte sempre à nossa casinha virtual!
beijos

Noivinha Pâm disse...

Estava conversando com o noivo dia desses sobre isso...o tempo anda passando mais depressa ou é impressão minha ?? E logo deduzi... não é o tempo que passa mais depressa...somos nós, neuróticos com a mania (ou obrigação) de fazer tudo correndo...e aí esquecemos até do coitado do tempo...

Confesso que por um lado acho ótimoooooo que o tempo voe... (vc sabe pq né...hehe) Mas por outro lado tb penso como vc... é capaz de envelhecermos e nem percebermos... das pessoas irem e virem e a gente correndo e nem notando... afff... Às vezes tenho vontade de ter nascido nos tempos antigos... onde as pessoas se curtiam mais... e o tempo passava devagar... sem tv... sem carros... sem essa loucura em que o mundo se encontra hj...

Beijos corridos amiga !! huahua...

Bom findi !!

Arthur disse...

Sintonia mesmo, prima! hehehehe
Essa semana também parei para pensar sobre essa correria toda! Olha, e quase adotei a solução violenta, hein? hahaha
Vou adorar conversar com vc sobre esses posts!
Um bjo e ótimo começo de semana!

As partes interessadas disse...

eu penso que quando 1/3 da humanidade infartar eles vão COMEÇAR a levar a sério a história de que a vida é bem mais que trabalho e dinheiro, que a gente deve trabalhar pra viver e não viver pra trabalhar. essa é minha filosofia de vida, graças a Deus.
bjocas!

justuforme disse...

Dra. Flávia! (acho engraçado esse jeito de tratar advogados) - ri muito com suas soluções e confesso que mesmo sendo apenas um estagiário de direito já tive que parar pra pensar em todas essas possibilidades, e confesso que a mais tentadora delas foi a "solução infantil".
Não sei porque as coisas precisam ser assim! Ai ai - gostei do seu blog, confessionário, cantinho do desestress ^^ vou voltar mais vezes!

Ps. No fim do dia eu costumo só deitar no sofá e ouvir uma música que me possibilite inventar uma história e viajar...fico assim por um bom tempo às vezes até adormecer - me ajuda a enfrentar a vida ^^ Acho que posso dizer que encontro todas as noites minha fada madrinha, e nesse devaneio revigoro minhas forças para enfrentar meu próximo dia. Se quiser, tenta fazer isso um dia desses. Se fizer me conta como foi .

Até mais!